terça-feira, dezembro 13, 2011

Um pouco de polêmica...

Recebi esse texto e republico...

Einstein quando perguntado se acreditava em Deus, respondeu: “Acredito no Deus de Spinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens”. E aí vai o Deus, segundo Spinoza:

“Pára de ficar rezando e batendo no peito! O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida. Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti.

Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa. Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas praias. Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti.

Pára de me culpar da tua vida miserável: Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador, ou que tua sexualidade fosse algo mau. O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar teu amor, teu êxtase, tua alegria.

Assim, não me culpes por tudo o que te fizeram crer. Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de teus amigos, nos olhos de teu filhinho... Não me encontrarás em nenhum livro!

Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais me dizer como fazer meu trabalho?

Pára de ter tanto medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem te
in
co
modo, nem te castigo. Eu sou puro amor. Pára de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz... Eu te en
chi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso te culpar se respondes a algo que eu pus em ti? Como posso te castigar por seres como és, se Eu sou quem te fez? Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso?

Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti. A única coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida, que teu estado de alerta seja teu guia.

Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único que precisas. Eu te fiz absolutamente livre. Não há prêmios nem castigos. Não há pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro. Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.

Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso te dar um conselho. Vive como se não o houvesse. Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. Assim, se não há nada, terás aproveitado da oportunidade que te dei. E se houver, tem certeza que Eu não vou te perguntar se foste comportado ou não. Eu vou te perguntar se tu gostaste, se te divertiste... Do que mais gostaste? O que aprendeste?

Pára de crer em mim - crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti. Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho no mar.

Pára de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja? Me aborrece que me louvem. Me cansa que agradeçam. Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, de tua saúde, de tuas relações, do mundo. Te sentes olhado, surpreendido?... Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.

Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim. A única certeza é que tu estás aqui, que estás vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas. Para que precisas de mais milagres? Para que tantas explicações?

Não me procures fora! Não me acharás. Procura-me dentro... aí é que estou, batendo em ti.

Baruch Spinoza.

As sábias palavras são de Baruch Espinoza - nascido em 1632 em Amsterdã, falecido em Haia em 21 de fevereiro de 1677, foi um dos grandes racionalistas do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna, juntamente com René Descartes e Gottfried Leibniz. Era de família judaica portuguesa e é considerado o fundador do criticismo bíblico moderno.

Acredite, essas palavras foram ditas em pleno Século XVII.

segunda-feira, novembro 28, 2011

Dança e arte, sucesso nas apresentações!


A Escola de Dança Tonus surpreendeu e emocionou. Parabéns! Valeu o esforço! 2012 está aí com novos desafios...

quinta-feira, novembro 24, 2011

Ensaio geral


Espetáculos de dança e arte no Municipal de Ilhéus. Sexta, sábado e domingo!

quinta-feira, novembro 17, 2011

Sapateado, dança e arte no Teatro Municipal!

Para quem não sabe, é nos dias 25 e 26/11, sexta e sábado, que estarei, mais uma vez, no palco, me divertindo com o sapateado!



quarta-feira, novembro 02, 2011

Superpopulação...

Acabo de receber uma mensagem de reflexão polêmica sobre o momento "7 bilhões" da humanidade. Discordo.

"As Nações Unidas chamam a atenção para o 'perigo da superpopulação mundial e a conseqüente falta de recursos', como se o grande mal do ser humano fosse sua capacidade de se reproduzir."

"Desde quando excesso de gente é a causa da degradação ambiental? Do sub-desenvolvimento econômico? Da instabilidade política? Os 20% mais ricos do mundo se apropriam de 82,7% da renda, enquanto os dois terços mais pobres ficam com apenas 6%. Então será que há pobres demais, ou será que há ambição demais no mundo? O que significa excesso de gente, afinal? Você realmente acredita que menos bebês significariam justiça social?"

Em várias situações realizei dinâmicas coletivas para abrir a discussão sobre "o que é, efetivamente, um problema". A ideia é provocar o pensamento sobre os verdadeiros problemas por trás daquilo que consideramos "o problema", ou seja, será que o que consideramos um problema -na vida, na empresa, na família...- não é a "ponta do iceberg" e que a resolução definitiva depende de tomar consciência de todo o corpo escondido, dos probleminhas e problemões causadores daquilo que, finalmente, conseguimos observar?

A primeira pergunta, naqueles encontros, era: "Qual é o maior problema do planeta?". Polêmica na mesa, o debate variava dos "práticos" aos "filosóficos", da pobreza à degradação moral, da corrupção à falta de espiritualidade... E não foi incomum a conclusão de que a disputa por espaço e recursos (alimentos e água, principalmente), e as intolerâncias religiosa, étnica, de gênero, de opção sexual, de filosofia política e outras, teriam origem na imensa aceleração do crescimento demográfico.

Os avanços da ciência (medicina, alimentação, prevenção...) permitem vidas mais longas e menos perdas de habitantes do planeta. Resultado? Mais gente. Muito mais gente. Ao todo, 7 bilhões!

Sim, ao invés de educar para ter menos filhos, que tal proporcionar saúde e qualidade de vida a todos, de forma que cada um possa decidir quantos filhos ter, e criá-los dignamente? A ideia parece simples e respeitosa, repleta de boas intenções e valoriza direitos humanos. Mas peca pela falta de realidade. Não temos tanto controle sobre os fatos quanto poderíamos pensar. A expansão populacional acontece desenfreadamente e, queiramos ou não, é ainda maior nas regiões mais pobres e despreparadas para lidar com os problemas por ela causados. Resultado? A proporção entre “pobres” e “ricos” aumenta e cria-se uma bomba relógio, representada tanto nos conflitos cotidianos urbanos e rurais, quanto nos grandes eventos bélicos da atualidade.

Não precisamos de um novo holocausto, evidentemente. Mas a ciência, tão evoluída, precisa de uma fórmula –respeitosa e natural- para conter, com urgência, a explosão demográfica.

quarta-feira, outubro 12, 2011

Somos todos mais iguais do que pensamos, mas...


Malcolm Gladwell, em "Outliers" (Fora de série) navega na reflexão sobre o que faz alguns melhores que outros, aquilo que é decisivo para que apareçam pessoas absolutamente vencedoras.

Logo no início ele causa reboliço em nossos paradigmas quando relata uma descoberta completamente ao acaso, ao observar, nada mais, nada menos, que uma lista de jogadores juniores da seleção de hóquei do Canadá. Saiba que hóquei, no Canadá, é mais do que o futebol para brasileiros. Resultado: 40% aniversariam de janeiro a março. 30%, de abril a junho (ou seja, 70% no primeiro semestre!), 20% de julho a setembro e 10% no último trimestre. Procurou mais informações e confirmou que esta proporção é mais ou menos constante, nos times de elite.

Não são conjunções astrais. É algo mais simples, segundo Gladwell. Os treinadores começam a selecionar atletas para os times de elite quando eles ainda têm 9 a 10 anos de idade. "Nesta fase de pré-adolescência, uma defasagem de 12 meses representa uma diferença enorme em termos de desenvolvimento físico", comparando um menino que completou 10 anos no dia 3 de janeiro com outro cujo aniversário é em dezembro. Portanto, os que buscam talento apenas encontram meninos maiores e com melhor nível de coordenação devido ao simples fato de terem nascido antes. O que acontece, então? O "jogador" escolhido recebe treinamento de melhor qualidade, seus colegas são melhores, disputa um número muito maior de partidas. Ao chegar aos 13 ou 14 anos, é quase inevitável que seja realmente melhor, e terá chances igualmente maiores de ser chamado para participar das grandes ligas do esporte.

Claro que esta análise e interpretação interessam bastante aos que trabalham com esportistas (ele sugere, inclusive, que se organizassem ligas em número suficiente para acolher crianças nascidas nos diferentes trimestres do ano, o que permitiria igualdade nas oportunidades), mas ele vai além. Ele quer mostrar que todos temos "talento" suficiente para atingir o sucesso e que "receber o melhor treinamento" e "praticar um grande número de horas" é o que, efetivamente, diferencia os fracassados daqueles que alcançam o sucesso. Envolve coincidências de todos os tipos, mas ele afirma que há um número que está presente em todos os que "chegaram" lá: 10.000 horas. De Steve Jobs aos Beatles, de Bill Gates a Einstein, Mozart e tantos outros, o ponto em comum é que tiveram oportunidade de praticar, estudar, pesquisar por 10.000 horas até "surgirem repentinamente" para o sucesso. Ele comprova, também, que a partir de uma determinada avaliação de Q.I., variações para maiores resultados não determinam sucesso maior. Vai-se ao chão a importância deste índice (Q.I.) para determinar resultados e felicidade na vida.

Ou seja: nascemos praticamente com as mesmas condições, como certas categorias de automobilismo em que os automóveis são idênticos e sorteados logo antes da largada. Os pilotos que forem realmente melhores (receberam melhores treinamentos e praticaram mais) terão chances maiores de vitória. Como você tem planejado sua carreira, sua vida, suas conquistas?

Gladwell é um dos gurus da maioria dos coaches, aquele profissional que, em 10 a 12 sessões, ajuda seu cliente a construir um plano de ação viável, objetivo e baseado em seus talentos e considerando seus valores. Pode significar 5, 10, 15 anos a menos até alcançar objetivos e metas importantes! Como coach, tenho observado claramente avanços e conquistas: profissionais, financeiras, de saúde, em relacionamentos... Indique esta ferramenta moderna e eficiente a alguém que você conheça.

domingo, setembro 18, 2011

Por que "mobilizar" é tão difícil?

Tenho conversado com amigos, alunos, conhecidos... Compartilho e faço postagens no Facebook... Acompanho pela Internet... O assunto é de imenso interesse e possível impacto -para mim, apenas positivíssimo- na vida de todos: o modelo até então adotado para escolher representantes da população para trabalhar por ela é completamente ultrapassado e só contribui para aumentar a confusão, a corrupção, a desigualdade, o desperdício de recursos. Há uma alternativa em debate e parece resolver a maioria dos imbroglios do sistema eleitoral brasileiro. Voto Distrital. Mas, por exemplo, dos meus míseros 205 "amigos do facebook", talvez uns três ou quatro repercutiram minha insistente tentativa de divulgar e promover o debate sobre esse sistema eleitoral.

Acompanho postagens de todas as cores e intenções, do besteirol à religião, de inadequadas propagandas-reclames a fotografias curiosas, de artistas, cantores, fotógrafos. Há "mobilização" virtual por tombamentos de patrimônios históricos, contra usinas, ferrovias, ministros, fobias e, sim, pelo voto distrital. O que faz pessoas clicarem aqui e, não, ali? Curtem este e desprezam aquele. Comentam, compartilham, encaminham segundo um critério, digamos, pessoalíssimo e ainda não decifrado pelos cientistas da comunicação ou da psico-sociologia.

Mas mobilizar é muito, muito mais, do que provocar um clique. Assim fosse, em três ou quatro cliques poderíamos combater Kadafi, impedir Belo Monte, salvar golfinhos e... Mudar o sistema eleitoral brasileiro. O que, afinal, é capaz de mover, não apenas a consciência, mas os corpos, pernas, mãos -dedos não valem, pois voltaríamos ao clique-? O que seria brilhante o suficiente para atrair olhares para assuntos áridos como política? E por que clicam e ficam imóveis, entocados, passivos?

Por que, então, é tão difícil mobilizar pessoas?

Além da minha empreitada -virtual, também, eu confesso- pelo Voto Distrital, estou empenhado na criação de uma associação de empresários e moradores de um bairro. Imagine uma região amada por seus moradores, mas também, machucada, desprezada, ignorada por moradores e seus representantes: legislativo e executivo municipais, ou seja, vereadores, prefeito e secretários. Meu tempo é curto, mas encontro disposição para participar de reuniões e preparar textos, logomarcas, estratégias e eventos. De, talvez, vinte pessoas que já circularam pelas quatro reuniões que já aconteceram, apenas três estão ativas, ocupadas e preocupadas. Onde estariam as outras? Onde estariam aquelas que, ao saber do movimento, disseram apoiar e participar? Alguém tem dúvida de que um dos únicos caminhos para melhorar a vida é associar-se a outros e "ter propostas"? Sim, todos acham uma ótima ideia. Ninguém participa...

Por que, então, é tão difícil mobilizar pessoas?

Para mim, a resposta é simples, mas chega, também, como uma pergunta: Por que eu deveria fazer algo para que todos usufruam do resultado?

É difícil porque poucos estão acostumados com o compartilhamento de responsabilidades. Herdamos o paternalismo, que resistiu ao colonialismo, monarquia, velha república, ditadura, nova república, guerras, crises e continuamos aguardando que um "Grande Pai" apareça e resolva tudo por nós. Nem nos preparamos para algo diferente, não sabemos como agir em reuniões de condomínio, de família, na empresa, no clube... Torcemos para que apareça um "líder" -bobo, inocente, ingênuo...- e assuma todas as ações. Assim, podemos, apenas criticar, zombar, ironizar, destruir. Ora, se não vou à reunião do condomínio, que autoridade terei para criticar?!

Ok, soluções... Da mesma forma que critico a "educação ambiental" que foca em plantios de mudas, mutirões de limpeza de praias, palestras e programas de coleta seletiva, proponho, também, para viabilizar o associativismo, programas básicos da mais pura conscientização de cidadania, do espírito coletivo, da valorização do espaço comum. E isto só se faz com crianças. Esqueça as "gerações perdidas"...

Continuo tentando...

Ah, procure saber mais sobre o Voto distrital. E veja se há grupos de moradores e empresários no seu bairro precisando de braços e cérebros!

"There is no limit to what can be accomplished if it doesn't matter who gets the credit"
Não há limites para o que pode ser realizado se não importa quem ganha os créditos.

terça-feira, setembro 13, 2011

Vencedor ou Perdedor?


Encontrei este texto e re-publico aqui.
Sim, é mais um da série "Inveja por não ter sido eu a escrevê-lo"...
A autoria é atribuída a Leonardo Delgado.
-----


O vencedor é sempre parte da solução;
O perdedor é sempre parte do problema;
O vencedor sempre tem um plano;
O perdedor sempre tem uma desculpa;
O vencedor diz: "deixe-me ajudá-lo";
O perdedor diz: "este não é o meu trabalho";
O vencedor vê uma resposta para todo problema;
O perdedor vê um problema em toda resposta;
O vencedor vê sempre uma luz no meio da escuridão;
O perdedor vê sempre escuridão no meio de toda luz;
O vencedor diz: "é difícil mas é possível';
O perdedor diz: 'pode ser possível mas é muito difícil'.
Quando um vencedor comete um erro, diz: "Eu errei!"
Quando um perdedor comete um erro, diz: "Não foi minha culpa."
Um vencedor trabalha duro e tem mais tempo.
Um perdedor está sempre "muito ocupado" para fazer o que é necessário.
Um vencedor enfrenta e supera o problema.
Um perdedor dá voltas e nunca consegue resolvê-lo.
Um vencedor se compromete.
Um perdedor faz promessas.
Um vencedor diz: "Eu sou bom, porém não tão bom como gostaria de ser."
Um perdedor diz: "Eu não sou tão ruim como tantos outros."
Um vencedor escuta, compreende e responde.
Um perdedor somente espera uma oportunidade para falar.
Um vencedor respeita aqueles que são superiores a ele e trata de aprender algo com eles.
Um perdedor resiste àqueles que são superiores a ele e trata de encontrar seus defeitos.
Um vencedor se sente responsável por algo mais do que somente o seu trabalho. Um perdedor não colabora e sempre diz: "Eu somente faço o meu trabalho."
Um vencedor diz: "Deve haver melhor forma de fazê-lo ..."
Um perdedor diz: "Esta é a maneira que sempre fizemos."
Um Vencedor tem vontade de acertar.
Um Perdedor tem medo de errar.
Um Vencedor vai direto ao problema.
Um Perdedor evita o problema e nunca ultrapassa.
Um Vencedor discute as oportunidades.
Um Perdedor lamenta-se de problemas.
Um Vencedor aceita com alegria os riscos para enfrentar o desafio.
Um Perdedor não aceita riscos.
Um Vencedor assume compromissos.
Um Perdedor faz promessas.
Um Vencedor tem planos e metas que podem ser medidas.
Um Perdedor detesta ser medido.
Um Vencedor mantém registros e estatísticas.
Um Perdedor detesta estatísticas.
Um Vencedor estabelece metas diariamente.
Um Perdedor ignora o que são metas.
Um Vencedor ouve e aprende.
Um Perdedor fala a respeito daquilo que pretende fazer.
Um Vencedor repete comportamento que funciona e evita os que não funcionam. Um Perdedor repete um comportamento somente porque é confortável.
Um Vencedor é extremamente leal.
Um Perdedor não sabe o significado de lealdade.
Um Vencedor sabe porque luta e a que se compromete.
Um Perdedor compromete-se com o que não deveria e luta pelo que não vale a pena.
Pense um pouco: afinal a que grupo você pertence?

domingo, setembro 04, 2011

Prepare-se e curta seus esportes por toda a vida!

Esportes promovem saúde. Algumas horas, ou minutos, jogando tênis, surfando, dançando, lutando judô ou jogando capoeira são momentos especiais. Músculos, órgãos, sangue atuam em sintonia e, como mágica, nos deixam mais dispostos, energizados, felizes. Mas há uma crença, transformada em comportamento, que aposenta precocemente muitos que amam certos esportes: "esportes são uma forma de condicionamento físico". Não são.

Aumentou muito o número de pessoas que sentem-se frustradas por ter que abandonar uma prática esportiva que amavam. Isto não acontece por exagero, por excesso de dedicação. O motivo, na grande maioria dos casos, é a mais simples "falta de prevenção".
- Não perdia uma aula de spinning! As aulas eram animadas, eu não via o tempo passar... Minha lombar e meus joelhos acabaram não aguentando. Na empolgação, a última coisa em que eu pensava era na minha postura.

- Dança era tudo para mim!... Quando meus joelhos começaram a doer, não dei bola e aumentei ainda mais minhas horas de aulas. Para mim, a prática iria fortalecer minhas pernas e acabar com as dores...

- Comecei a sentir meu ombro e meu cotovelo depois de um domingo em que joguei tênis quase o dia todo... Achei que eram apenas dores do cansaço e continuei minha rotina de jogar duas ou três vezes por semana. Tive que deixar de jogar e hoje eu sinto falta do prazer que as quadras me traziam.

Quase todos poderiam estar, ainda, sentindo a satisfação de uma prática que os deixava mais relaxados, com a auto-estima elevada. Ao contrário, amargam tratamentos, fisioterapia, remédios e, pior, sedentarismo.

Por outro lado, há quem tenha aprendido -e tenho me esforçado nesta tarefa!- que há, sempre, "ossos e filé", um preço a se pagar pelas conquistas. Refiro-me à boa e conhecida musculação. Não aquela musculação arcaica, anabolizada, sufocada e sofrida, mas, sim, ao condicionamento físico realizado com auxílio de aparelhos com pesos, halteres, combinados com exercícios aeróbicos em esteiras, bicicletas e elípticos, por exemplo. Falo da musculação devidamente estudada e prescrita com foco nas efetivas necessidades de quem pratica. Com esta nova musculação é possível preparar-se para, efetivamente, praticar spinning com riscos muito menores, dançar e jogar tênis com os amigos até idades avançadas.

É possível, finalmente, manter uma condição física diferenciada. Muitas vezes, a única prevenção e o único tratamento eficiente para dores é fortalecer músculos. Músculos fortes protegem as articulações e elas estão por toda parte: coluna vertebral, joelhos, cotovelos, ombros, quadril... Articulações preservadas pode ser a garantia de uma longa vida e permanente usufruto dos benefícios sociais e físicos do esporte!

Há quem considere "musculação" entediante, repetitiva, um mero culto ao corpo. Hoje é consenso entre especialistas que ela pode ser uma condição para uma vida muito mais prazerosa. Pergunte aos que praticam!

segunda-feira, agosto 29, 2011

Psicologia Positiva

Há poucos meses a revista Superinteressante mostrou uma pesquisa de médicos da cidade de Boston, nos EUA. Eles estudam um grupo de pessoas que, em todo o mundo, alcançaram 110 anos de idade. O quê esses "supercentenários" têm em comum: há carnívoros e vegetarianos, mas todos mantiveram-se ativos mental e fisicamente durante toda a vida. Além disso, todos haviam desenvolvido uma especial habilidade para lidar com situações estressantes.

Fui pesquisar sobre a Psicologia Positiva e descobri pesquisas científicas consideradas bem validadas. Martin Seligman, na década de 1980, denominou "estilos atribucionais" dois modos distintos de se entender os acontecimentos. Estilo pessimista e estilo otimista. Segundo os pesquisadores, a maioria das pessoas alterna entre os dois estilos, mas há quem transite nos extremos.



Pessoas que pensam de acordo com o estilo pessimista, costumam, em primeiro lugar, culpar-se, veem a questão pelo lado pessoal e creem que, quando algo bom acontece, teria sido sorte ou uma situação que ele próprio não teria controle. Em segundo lugar, pensam que a situação ruim irá ser duradoura e a boa será momentânea. Terceiro, vivenciam a experiência negativa como algo que irá se infiltrar e influenciar outro setores de sua vida. Andrea Lages, em seu livro "Como o Coaching Funciona" cita um exemplo em que o pessimista briga com um amigo e acaba sentindo-se culpado, acha que a amizade terminou e que o amigo irá contar a muitas pessoas o ocorrido. No exemplo, ao iniciar uma nova amizade, aquele pessimista atribuirá o fato à boa vontade da outra pessoa, achará que a amizade não durará e que, de qualquer forma, isso não iria melhorar nada em sua vida.

O estilo otimista é o oposto. Não há sentimento de culpa pelas más situações e assume a responsabilidade pelas boas. Aquelas situações ruins, para o otimista, são eventos passageiros e as boas, persistentes. Ele considera as más situações incidentes isolados, enquanto as boas experiências são vistas como influências fortes em outras áreas da vida.

Os pesquisadores não consideram que o pessimista seria mais "realista" que o otimista. Há pessoas que preferem esperar o pior para não se decepcionar e isto não seria realismo.



E por que esta abordagem pode ser importante? Um estudo realizado em Harvard, há mais de 35 anos revelou que, de forma geral, homens jovens que explicavam os maus eventos com abordagem otimista apresentaram-se mais saudáveis ao atingir idades acima de 40 anos. A saúde do grupo pessimista "demonstrou uma acentuada deterioração que não poderia ser explicada através de qualquer outra variável, como estilo de vida e tabagismo."

Assim como existem alimentos tóxicos e prejudiciais, existem padrões de pensamento tóxicos e prejudiciais. Otimismo e esperança, para Lages, oferecem maior resistência à depressão diante da ocorrência de eventos negativos, melhor desempenho no trabalho e melhor saúde física. E Andrea Lages é firme: são posturas e comportamentos que podem ser adquiridos. Para ela, um coach (profissional de Coaching) com esta visão ajudará o cliente a pensar de forma mais otimista e, assim, poderá a enfrentar problemas com mais eficiência e terá grandes benefícios de longo prazo.

domingo, agosto 14, 2011

Emagrecer com Coaching

Trecho de uma conversa entre um coach e sua coachee...



COACHEE- Eu já fiz de tudo! Não dá, não nasci para ser magra... Conheço tudo de alimentação diet, já fiz todos os tipos de exercícios e simplesmente há 10 quilos de gordura que grudaram em mim!



COACH- O que isto provoca em você?

COACHEE- Como assim? Provoca em mim? Sei lá!...

COACH- Sim, o que você sente quando pensa em tudo aquilo que acabou de falar?

COACHEE- Você não está entendendo... Eu não sei!

COACH- E se você soubesse? O que estaria sentindo?

COACHEE- Ah, vergonha, culpa, raiva...

COACH- Qual sentimento seria o mais forte?

COACHEE- Nunca pensei nisso... Acho que a raiva. Raiva de mim mesma!

COACH- Fale mais sobre isso.

COACHEE- Acho que no fundo eu poderia fazer mais e mais coisas para emagrecer...

COACH- O que você perderia se conseguisse emagrecer?

COACHEE- O quê?! Nada! Seria tudo de bom! Imagina... Perder? Se eu emagrecer seria a mulher mais feliz do mundo!

COACH- Sim, mas se houvesse perdas. Quais seriam?

COACHEE- Bom, sei lá, acho que eu teria que deixar de fazer churrasco com os amigos todos os finais de semana...

COACH- Por que esses churrascos são importantes para você?

COACHEE- É quando eu me sinto querida, as pessoas vêm à minha casa, a gente esquece de tudo e dá boas risadas...

COACH- E o que mais você poderia perder se emagrecer?

COACHEE- Acho que eu deixaria de ser o centro das atenções... Gordinha a gente pode reclamar, tem assunto, as pessoas chegam, conversam, querem ajudar. É, podemos dizer que se eu emagrecesse eu poderia, até, perder alguns amigos...

(e a conversa continuou...)

sexta-feira, agosto 12, 2011

Coaching


Estou iniciando uma atividade que pode te interessar. Você já ouviu falar de Coaching? Pois é, acabo de retornar do curso de formação em Coaching. Finalizei todos os módulos do curso da Sociedade Brasileira de Coaching, o mais conceituado do Brasil.

Coaching foi criado para todo mundo, mas quem aproveita, mesmo, são pessoas com grandes talentos, projetos, sonhos e objetivos e, por quaisquer motivos, acabam se envolvendo com outros projetos, com os sonhos de outras pessoas, cedem ao sentimento de incapacidade ou falta de tempo e, simplesmente, desperdiçam um potencial imenso de realização e felicidade.

Busquei ser coach porque, na prática, já faço isso. Seja na área do urbanismo, com Pilates, nas Avaliações Físicas, nas consultorias, apresentações, palestras e dinâmicas que desenvolvi para empresas, em meu blog Desacelere... No fundo, a intenção é dispor da minha formação e experiência para participar da ativação dos talentos e do potencial das pessoas, com grande respeito e sem julgamentos.

É um processo desenvolvido em 10 a 12 sessões de 1 hora. Normalmente são sessões presenciais, mas é comum usar a internet com voz e imagem. O que se espera, no final, é que o coachee (como se nomeia o cliente do coach) tenha uma visão clara de seus objetivos e dos caminhos para alcançá-los. Mais do que isso, saiba monitorar as etapas e respeitar, sempre, seus talentos reais. São várias alternativas previstas na metodologia e basta você fazer uma pesquisa breve na internet para confirmar o quanto as pessoas estão satisfeitas com o coaching.

Pode ser a conquista de um emprego, uma virada na empresa, um promoção e uma nova remuneração; também pode ser uma conquista afetiva, uma faxina geral na vida pessoal, um novo hobby; pode significar a independência financeira. Coisas que, na verdade, não se calcula o valor.

Fale comigo sobre isto. Pense em você ou num amigo, amiga, parente. Vamos criar uma onda de sucesso e realização pessoal!

terça-feira, agosto 09, 2011

Alavanca para o sucesso

Há uma técnica que se propõe a acelerar e viabilizar o processo de desenvolvimento pessoal e profissional. Seu nome é coaching.

Coaching, coach, coachee... Acostume-se com este vocabulário. Em breve, todos seus amigos de sucesso terão um coach. Seu coach terá um coach!



Coach é um profissional que se preparou, foi habilitado e possui talento para assessorar seus clientes, os coachees. Não é um guru, mas um “técnico”, um “maestro”, que acompanha, mobiliza, motiva, ajuda a organizar pensamentos e o ritmo das ações.

Coaching é um processo objetivo e baseia-se em uma sequência de sessões –ou reuniões, ou encontros- em que se abrem “gavetas e pacotes” em busca dos talentos, da motivação e da organização das idéias do coachee. Em aproximadamente dez sessões sonhos podem ser expostos, objetivos podem ser claramente definidos e será criado, finalmente, clima para se estabelecer um plano de ações completo, abrangente e, muito importante, com objetivos possíveis.

Seu dia-a-dia muitas vezes te afasta das ações realmente importantes. As prioridades acabam se confundindo e o fim do dia pode estar carregado de pequenas –ou grandes- frustrações. Dez anos podem passar e você pode até acabar esquecendo-se de quais eram seus sonhos. O sucesso de um processo de coaching pode significar a opção por conquistar o emprego tão desejado ao invés de resignar-se em trabalhos desestimulantes, abrir sua empresa ao contrário de permanecer trabalhando em casa sem projeção no mercado, um rendimento que proporcione conforto a você e sua família substituindo um aperto financeiro e grande desgaste pessoal.

Não é mágica. Demanda trabalho, concentração, comprometimento. Considera todas as limitações e dificuldades, mas, ao identificar talentos e habilidades reais, programa sua utilização efetiva e monitora os resultados, passo a passo.

Quer experimentar? Converse com um coach, faça uma primeira reunião de coaching-coachee e pergunte a quem já passou por isso. Em poucos dias sua vida poderá ser bem diferente.

Iniciei minha atividade como coach a partir do encerramento dos módulos 1 e 2 do curso de formação da SBC - Sociedade Brasileira de Coaching. O primeiro desafio é divulgar e explicar o que é este processo, ainda desconhecido fora dos grandes centros.

quinta-feira, julho 21, 2011

O Voto Distrital | #EuVotoDistrital

O Voto Distrital | #EuVotoDistrital

O voto distrital dá mais poder ao cidadão.
O poder para realizar as mudanças que deseja ver em sua comunidade.
O voto distrital é a reforma política que interessa.
Precisamos estabelecer uma nova dinâmica política entre representantes e representados no Brasil. O Voto Distrital corrige deficiências do sistema eleitoral atual e traz uma nova dinâmica de relacionamento entre eleitos e eleitores.



Como é hoje?

Hoje, os representantes do povo no Legislativo (deputados federais, deputados estaduais e vereadores) são eleitos pelo voto proporcional, isto é, os partidos políticos ganham cadeiras em proporção ao número de votos que seus candidatos recebem em todo o Estado (ou cidade). Quanto mais candidatos, mais votos. Um mês após a eleição, 70% dos eleitores já não se lembra em quem votou, pois vota sem conhecer bem os candidatos. Uma vez eleitos, os representantes também não se lembram dos eleitores e agem no Legislativo sem prestar contas a eles.

O Voto Distrital

O voto distrital é um sistema de voto majoritário no qual um Estado (ou cidade) é dividido em pequenos distritos com aproximadamente o mesmo número de habitantes. Cada partido indica um único candidato por distrito. Cada distrito elege um único representante pela maioria dos votos.

Que tipo de Voto Distrital o Movimento defende? Puro ou Misto? O movimento #euvotodistrital defende o sistema majoritário de dois turnos. Essa modalidade, além de trazer todos os benefícios do Distrital como conhecemos, preserva os interesses das minorias ao exigir segundo turno, caso o candidato não tenha 50%+1 dos votos.

O que muda?

Aumenta a fiscalização sobre os políticos; diminui o custo das campanhas políticas; estimula a redução de partidos; aumenta o enraizamento dos partidos na sociedade; fortalece o Poder Legislativo; traz nova dinâmica de Governabilidade; melhora a relação representante / representado; mais representantes que convivem com a população no dia-a-dia serão eleitos.

quinta-feira, junho 09, 2011

A humanidade representada



Imagine concentrar todas as pessoas -todas- em uma só. Todas as raças do mundo, todos os costumes, todos os comportamentos. As características seriam, digamos, misturadas e o resultado seria um único temperamento, apenas uma pessoa e um modelo de atitude.

Seria a humanidade representada em um ser humano.

Como seria este representante? Quais seriam seus costumes?

A história nos faz supor que seria uma pessoa doente, descrente do futuro e avessa a prevenção. Inconsequente, estaria aproveitando seus "últimos minutos".

Apenas estaria preocupada em se alimentar e se divertir...

quinta-feira, maio 26, 2011

Diversão pura

A falência da "educação ambiental"

Então está combinado. A educação ambiental não funcionou. Estamos melhores do que estávamos há duas décadas? Rio ’92 frutificou?

Perdão, milhares de voluntários, estudiosos, profissionais, consultores!... Mas não conseguimos. Chegamos a inventar a “educomunicação ambiental”, um mix de educação e comunicação, mas, novamente, chegamos a lugar nenhum. Ou melhor, chegamos a uma votação politicamente dirigida, sobre um assunto que envolve, essencialmente, como nosso país pretende fazer a gestão dos recursos naturais. O Código Florestal. Um assunto de tamanha responsabilidade –técnica, humana, econômica-, que jamais poderia ser dirigido por interesses políticos, ou partidários. Para mim, isso é lugar nenhum.

Do que entendem deste assunto nossos nobres deputados? Se nossa educação ambiental tivesse sido eficiente todos –inclusive os deputados- saberiam, ao menos, que há técnicos que devem ser ouvidos e respeitados. Sim, eles não são uníssonos, não têm a mesma opinião. Mas são estudiosos e possuem os verdadeiros argumentos. Ao invés de votação na Câmara dos Deputados ou no Senado, deveria haver um debate e uma votação entre os que realmente entendem do tema. E o resultado seria referendado pelos deputados e senadores.



Nossos representantes aprenderam –e aprendem- facilmente os meandros da economia. A “educação econômica” funcionou. Todos sabem tudo sobre inflação, índices, consumo, PIB... Dominam a arte advocatícia. Redigem –quando não copiam, simplesmente- normas, regras, regimentos, leis, como poucos. A “educação legal” funcionou. Legislam sobre tarifas, agências regulatórias, mas não sabem nada de APP, reserva legal, Unidades de Conservação, sustentabilidade... A “educação ambiental” não funcionou.

Contrariando todos os técnicos, resolveram anistiar quem, deliberadamente, derrubou matas para plantar grãos ou criar gado, quando havia muita área sem mata para este fim. Contrariaram técnicos de áreas distantes, como ecologia, urbanismo, biologia, sociologia, e, com denúncias de “legislar em causa própria” (muitos são proprietários de fazendas já autuadas pelos órgãos ambientais), resolveram criar uma nova ordem na natureza. Muitos, até, realmente devem acreditar que “bichinhos e plantinhas” devem servir aos humanos, simplesmente. Muitos deputados, senadores e, claro, brasileiros. É, a “educação ambiental” não funcionou.

Várias sociedade colapsaram ao longo da trajetória humana na Terra. As poucas que reverteram situações dramáticas e salvaram-se do trágico destino apenas conseguiram porque a destruição do hábitat foi rápida e, na mesma geração, salvaram-se memórias de matas fechadas e rios caudalosos. Com isso, puderam adotar medidas emergenciais de recuperação, pois ainda se lembravam de como havia sido seu território. Na Ilha de Páscoa, por exemplo, a destruição foi lenta e total. Jared Diamond, autor de “Colapso” pergunta: -“O que teria pensado o pascoalês que derrubou a última árvore da ilha?”. Nada, o autor responde. Para ele, as árvores não faziam parte da sua vida.

A humanidade está conduzindo com lentidão o processo de destruição do hábitat da raça humana.

Para funcionar, a educação voltada à conscientização ambiental, deve, primeiro, surfar na onda da educação pura, aquela das escolas e aquela das residências, das famílias. Se esta base não funcionar, nada mais funcionará. Em segundo lugar, deve basear-se na disseminação dos princípios da cidadania e cooperação. Aí, sim, após, talvez, décadas de trabalho, poderá ressurgir o que chamaremos de “Educação Ambiental”.

Aliás, chega de palestrinhas, plantiozinhos de mudas, eventozinhos, cartilhazinhas, concursozinhos, programinhas... Não funcionaram. Precisamos de novas estratégias. Precisamos atingir, não centenas ou milhares, mas milhões de consciências!

domingo, maio 15, 2011

Chimpanzés um pouco diferentes


Já mostrei aqui uma interessantíssima entrevista com Jared Diamond, autor do excelente "Colapso". Retorno a este biólogo e cientista com a reflexão que ele próprio oferece em sua obra "O Terceiro Chimpanzé".

Para ele -e a partir de diversas pesquisas que ele cita- a humanidade tem pago um preço alto justamente pelas conquistas de que mais se orgulha. A evolução tecnológica, desde as mais rudimentares ferramentas ao mais moderno computador, assim como a imensa sequência de inovações nas técnicas agrícolas seriam "facas de dois gumes". A agricultura é um evento recente, na história da humanidade. Apenas surgiu há 10 mil anos (em mais de um milhão de anos de existência da espécie).

Quando nossos singelos 1,6% de genes que são, efetivamente, diferentes de nossos parentes, os chimpanzés, fizeram a diferença, pudemos abandonar a condição de coletores-caçadores e aventurarmo-nos na tecnologia. Coletores-caçadores buscavam na natureza seu alimento. Caçavam, e não criavam animais. Coletavam raízes e frutas, e não plantavam em hortas ou plantações como as vemos aos montes atualmente. Ou seja, o tempo todo estávamos envolvidos nas tarefas relacionadas à alimentação. Com ferramentas e com a agricultura, Jared lembra que surgiu, também, o tempo ocioso.

Ótimo! Foi a condição necessária para o desenvolvimento das artes, por exemplo (quem iria dedicar-se a pinturas, ou música, se estivesse com fome?!) e das linguagens.

Aos poucos, passamos a viver mais e o conhecimento foi sendo transferido às novas gerações que até então, sem sábios -sempre pessoas mais velhas-, precisavam reinventar a roda a cada geração.

O outro lado da moeda, para o autor, foram a criação da exploração do homem pelo homem, a divisão da sociedade em classes, a política, a desigualdade social e de gênero, as doenças e o despotismo. Aquele "tempo ocioso" acabou sendo usado na forma de comportamentos que afligem a existência humana moderna e que acabam sendo alguns dos principais diferenciais da espécie humana em relação aos demais primatas, outros descendentes de um ancestral comum.

"Dentre nossas qualidades singulares há duas que atualmente põem em risco nossa existência; a nossa propensão a matar nossos semelhantes e a destruir o meio ambiente. (...) Estas propensões são muito mais ameaçadoras em nós do que em outros animais devido ao nosso poder tecnológico e à nossa alta densidade populacional".

O livro é longo, cativante e aborda a evolução e o futuro do ser humano sob vários ângulos. Mais uma oportunidade de melhorar a visão de nossa verdadeira dimensão no universo...

sábado, abril 30, 2011

Apresentação às Secretarias

Representantes das Secretarias Municipais de Meio Ambiente, de Turismo, de Planejamento, e do Gabinete do Prefeito assistiram, na última sexta-feira, 29/4/2011, ao vídeo e conheceram o material elaborado pela Parkia para promover o Pólo de Ecoturismo 4 Cantos da Lagoa e conquistar patrocinadores para seus 17 Programas. Oficializaram total apoio à proposta. O próximo passo é apresentá-lo ao Conselho Gestor da APA da Lagoa Encantada e Rio Almada (em maio) e para as diversas comunidades!







terça-feira, abril 26, 2011

Projeto do Pólo de Ecoturismo: apresentação às Secretarias Municipais será nesta sexta-feira, às 10 hs

Em 26 de agosto de 2010 apresentamos às Secretarias Municipais o escopo geral do projeto de revitalização da região sob influência da Lagoa Encantada. Era o início dos trabalhos e havia o comprometimento de retornar após sua conclusão para o que a metodologia chamava de "consulta final".

Naquela época também estivemos na ATIL e em várias comunidades da região. Precisávamos coletar dados e permitir que todos participassem.

Agora, o projeto está pronto. Semana passada foi apresentado à ATIL (Associação de Turismo de Ilhéus) e sexta-feira, dia 29 de abril, será a vez de retornar ao Salão Nobre da Prefeitura Municipal e mostrar o fruto de meses de pesquisa, orçamentos, criação e trabalho, muito trabalho. A reunião está prevista para as 10 hs e deverá ter a presença dos principais secretários do município e representantes de diversas instituições que poderão participar das ações previstas no projeto.



O projeto do Pólo de Ecoturismo 4 Cantos da Lagoa foi formatado para que possa ser apresentado a empresários e convencê-los a patrocinar um dos seus 17 programas. Além da descrição e dos orçamentos completos dos programas, a Parkia desenvolveu o material que será utilizado para esta comunicação.

segunda-feira, abril 18, 2011

Polo de Ecoturismo 4 Cantos da Lagoa - Lagoa Encantada, Ilhéus, BA

Primeira reunião de consulta final: ATIL



Quem esteve lá pôde conhecer os detalhes e o material promocional a ser utilizado para conquistar patrocinadores para o futuro Pólo de Ecoturismo 4 Cantos da Lagoa, na região da Lagoa Encantada.

Este é um projeto da Parkia Consultoria e, agora, está pronto para correr o mundo. Aos poucos os detalhes serão postados aqui, na página da Parkia no Facebook e no site do pólo, em breve no ar.

A próxima reunião será com técnicos e equipes da Prefeitura e demais órgãos públicos; a seguir com as comunidades. Depois, com o Conselho Gestor da APA da Lagoa Encantada e Rio ALmada.

Banner promocional 1

sexta-feira, abril 15, 2011

Chegou a hora!

Amigos e empresários do turismo de Ilhéus, chegou a hora de conhecer o projeto da Parkia Consultoria para a região da Lagoa Encantada!

Nesta segunda-feira, às 8:30 hs (pontualmente!), na Pousada La Dolce Vita.

É um amplo projeto que propõe um conjunto de programas interligados. Estes programas serão apresentados a grandes empresas patrocinadoras, públicas ou particulares. Estas empresas estarão demonstrando responsabilidade social e ambiental e, ainda, poderão usufruir da grande visibilidade como contrapartida. Ao mesmo tempo, toda a infraestrutura e toda a operação serão assumidas gradualmente por moradores e pelas comunidades locais, devidamente preparados.

O papel deste projeto é apresentar os programas devidamente descritos e detalhados e, ainda, criar meios para convencer empresários e publicitários de que cada programa pode ser um investimento diferenciado e com grande repercussão na imagem de uma empresa.

Na apresentação desta segunda-feira, o Arquiteto Frederico Costacurta e sua equipe irão trazer o resultado de vários meses de trabalho e apresentar os detalhes de todo o processo e dos produtos finais.

Até lá!

Equipe Parkia

sábado, março 19, 2011

Chorinho! Única modalidade musical genuinamente brasileira!

O Dia Nacional do Choro é comemorado em 23 de abril, em homenagem à data de nascimento de Pixinguinha, uma das figuras exponenciais da música popular brasileira, e em especial do choro.

O choro



O choro entra na cena musical brasileira em meados e finais do século 19, e nesse período se destacam Callado, Anacleto de Medeiros, Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth. Inicialmente, o gênero mesclava elementos da música africana e européia e era executado principalmente por funcionários públicos, instrumentistas das bandas militares e operários têxteis. Segundo José Ramos Tinhorão, o termo choro resultaria dos sons plangentes, graves (baixaria) das modulações que os violonistas exercitavam a partir das passagens de polcas que lhes transmitiam os cavaquinistas, que induziam a uma sensação de melancolia.

O século 20 traria uma grande leva de chorões, compositores, instrumentistas, arranjadores, e entre eles, com destaque, Pixinguinha.

Pixinguinha

Alfredo da Rocha Vianna Júnior nasceu em 23 de abril de 1887. Cedo dedicou-se à música e deixou um legado de inúmeros clássicos, arranjos e interpretações magistrais, como flautista e saxofonista. Carinhoso, Lamento, Rosa, 1 x 0, Ainda Me Recordo, Proezas de Solon, Naquele Tempo, Vou Vivendo, Abraçando Jacaré, Os Oito Batutas, Sofres Porque Queres, Fala Baixinho, Ingênuo, estão entre algumas de suas principais composições.



O apelido Pixinguinha veio da união de pizindim – menino bom – como sua avó o chamava, e bexiguento, por ter contraído a varíola, que lhe marcou o semblante. Mário de Andrade registrou a presença do mestre na cena carioca, criando em seu livro “Macunaíma”, um personagem: “um negrão filho de Ogum, bexiguento e fadista de profissão” (Andrade, 1988). A passagem se dá quando o “herói sem nenhum caráter” freqüenta uma “macumba” em casa de tia Ciata. A caracterização de Mário de Andrade ficou difundida com a biografia de Pixinguinha elaborada por Marilia T. Barboza da Silva e Arthur L. de Oliveira Filho: “Filho de Ogum Bexiguento” (Rio de Janeiro, FUNARTE, 1979).


Chorinho às sextas-feiras no Bataclan, em Ilhéus!!

sábado, março 05, 2011

Low Hanging Fruits



Às vezes aprendemos com expressões ancestrais de outras culturas. Foi o caso, aqui no Desacelere, em 18/01/2009, de Rust Never Sleeps. Uma pérola que já foi, inclusive, título de um álbum memorável de Neil Young.

Agora, em "A Empresa Verde", um livro de Elizabeth Laville, encontro outra intrigante expressão: "Low Hanging Fruits"...

A princípio, é simples. Em administração, ou em planejamento, ocupemo-nos, primeiro, das tarefas mais simples e que tenham efeito imediato. Devemos -ou deveríamos- colher os frutos mais baixos e mais fáceis de serem colhidos, antes de nos preocupar com aqueles "mais altos" ou de alcance dificultado.

Uma versão britânica da Lei do Menor Esforço.



Tudo faz sentido. Até lembrarmos que muitos apenas colhem os Low Hanging Fruits. No trabalho, na vida, nos relacionamentos. Afinal, eles são atraentes pela facilidade. Por outro lado, quantos frutos muito mais saborosos, carnudos, coloridos simplesmente foram desperdiçados, apodreceram ou apenas foram saboreados pelos que ousaram escalar a árvore, correr os riscos, inventar instrumentos...

Low Hanging Fruits deve ser, então, o início e, nunca, o objetivo.

domingo, fevereiro 27, 2011

Entenda esta discussão do salário mínimo

Republico aqui texto de Stephen Kanitz com uma abordagem diferente e esclarecedora sobre os meandros da CLT e do salário mínimo.

---

1. Quem paga somente Salário Mínimo no Brasil é basicamente o Estado, via Previdência. Estima-se que 80% dos que recebem SM são do Estado.

2. No Salário Mínimo da Previdência, aposentado merece inflação, mas não os ganhos de produtividade daqueles que continuam trabalhando. Por isto, não faz sentido ter o mesmo SM como benchmark de trabalhador e de aposentado.

3. Salário Mínimo custa para a empresa R$ 1.200,00 por posto de trabalho. (O cálculo certo exige um computador e 40 horas de cálculo. O primeiro computador do Brasil, um

trazido pelo Unibanco, era usado não para analisar empréstimos, mas para calcular a Folha de Empregados.)
4. Nas férias, empresas precisam empregar outro funcionário, por isto por Posto de Trabalho é 8% mais caro. Pior, quem ganha salário mínimo trabalha nas férias sim, mas é obrigado a fazer um bico, com metade da produtividade anterior.

5. Décimo Terceiro é mais um engodo dos "bem intencionados", que querem reforçar a ideia de ganhar produzindo nada.

O 13º salário simplesmente posterga por 12 meses o que o trabalhador produziu 12 meses antes.

6. O valor de R$ 545,00 é o que SOBRA depois que os impostos são tirados do trabalhador, que ainda tem que pagar 8% de contribuição para a aposentadoria dos outros.

Ele é mínimo devido à desorganização do Estado, e não devido à ganância dos administradores de empresas.

7. Mulheres custam R$ 1.400,00, porque estimamos que elas possam ter 3 filhos e vivem 10 anos a mais, o que custa em termos de aposentadoria.

8. Uma nação que nem contabiliza corretamente os seus custos, que divulga dados com erro de precisão de 50%, realmente gera pobreza como afirmou a Dilma.

9. Leva a nação inteira a acusar empresários de que pagam pouco, achando que discriminam mulheres e que pagam menos, e gera discórdia em vez de mostrar quem é que realmente está desorganizando o Brasil.

sábado, fevereiro 26, 2011

Mehmet Oz, especialista em retardar os efeitos do envelhecimento

Às vezes aparecem algumas entrevistas que correspondem exatamente ao que penso de certos assuntos. Retratam o que nossa experiência demonstra há algum tempo. É o caso da longa -mas necessária- entrevista que foi publicada recentemente na revista Veja. Vale a leitura!

---

A especialidade do cirurgião cardíaco turco e cidadão americano Mehmet Oz, de 47 anos, é retardar ao máximo os efeitos da idade em seus pacientes. Diretor do Programa de Medicina Integrada da Universidade Colúmbia, em Nova York , ele é consultor da famosa clínica antienvelhecimento do médico Michael Roizen, criador do conceito de que é possível manter o organismo mais jovem do que aponta a idade cronológica. Oz e Roizen também assinam a quatro mãos uma série de livros de sucesso que ensinam como manter um estilo de vida que adia a velhice. O mais recente deles, You Staying Young (Você Sempre Jovem), lançado há um mês nos Estados Unidos, já vendeu meio milhão de exemplares. Nos últimos quatro anos, Oz se tornou uma celebridade ao participar de um quadro fixo no programa de TV da apresentadora Oprah Winfrey. Ele também apresenta documentários no Discovery Channel. Nos dois casos, dá dicas aos telespectadores sobre como viver mais com boa saúde. Esse é justamente o tema da entrevista que ele deu a VEJA.



BREVE BIOGRAFIA DO DR.OZ

Dr.Mehmet Oz nasceu em Cleveland, Ohio (EUA), dos pais turcos. Ele é casado e pai de quatro filhos. Ele se formou da Harvard University em 1982, depois fez mestrado e MBA na Universidade de Pennsylvania.

Ele é autor de mais de 350 publicações e vários livros. Em maio de 2005 estava na lista de New York Times Bestseller.

ENTREVISTA DA VEJA

Veja - Existe uma fórmula para se manter jovem por mais tempo?
Oz - Sim. Há catorze agentes principais envolvidos no envelhecimento. Sete retardam o processo, como os antioxidantes, e sete nos enfraquecem, como a atrofia muscular. É preciso manter esses agentes sob controle. O primeiro passo para alcançar esse objetivo é pensar não na possibilidade de ficar doente, mas na necessidade de manter o organismo saudável.. Deve-se tirar o foco da prevenção dos males e direcioná-lo para a preservação da saúde. Se ninguém mais morresse de câncer e de doenças cardiovasculares, a expectativa de vida média do ser humano subiria apenas nove anos. Isso mostra que, para aumentar consideravelmente a expectativa de vida, não basta evitar doenças. É preciso cuidar do corpo para que ele não enfraqueça. Quando uma pessoa envelhece, doenças potencialmente fatais, como o câncer e o infarto, não aparecem de imediato. Antes que elas se instalem, o corpo torna-se mais frágil e vulnerável.

Veja - O que fazer para evitar que o corpo se torne frágil e vulnerável?
Oz - Meu novo livro, You Staying Young (Você Sempre Jovem, ainda sem previsão de lançamento no Brasil), trata exatamente desse tema. Os exercícios físicos são uma ferramenta essencial. Eles combatem o primeiro sinal do envelhecimento, que é a perda de força muscular. Outros recursos importantes são alimentar-se bem e meditar. Uma boa recomendação é a prática do tai chi chuan, exercício oriental que combina equilíbrio, coordenação motora e também meditação. Se todos adotassem essas medidas, a vida média da população poderia subir para 110 anos. Quanto à alimentação, não podem faltar nutrientes como o resveratrol da uva e o licopeno do tomate, que são poderosos antioxidantes. O principal, mas também o mais difícil, é controlar a quantidade dos alimentos. De qualquer forma, todo mundo deve comer um pouco menos do que tem vontade.

Veja - Fazer várias pequenas refeições por dia, como recomendam alguns médicos, faz bem para a saúde?
Oz - Deve-se comer de três em três horas. Se o intervalo é maior, a taxa de hormônio grelina, que estimula a fome, começa a subir. O problema é que, após uma refeição, ainda demora trinta minutos para que a taxa desse hormônio volte a baixar. Em conseqüência disso, acaba-se comendo mais do que se deveria. O mais importante, além de comer alguma coisa a cada três horas, é trocar as refeições grandes por pequenas, intercaladas por lanchinhos. Esse conceito não foi criado por mim. É o que mostram as pesquisas científicas.

Veja - O que o senhor considera refeições grandes e pequenas?
Oz - Uma refeição grande ultrapassa 1 000 calorias. Uma pequena tem, no máximo, 500. Quem consome por volta de 2 000 calorias diárias pode fazer duas refeições de 300 calorias cada uma e outra maior, de até 800. Os lanchinhos podem ter até 250 calorias.

Veja - O que deve ficar de fora do cardápio?
Oz - Existe uma regrinha fácil de ser usada, a regra dos cinco. Para isso, é preciso examinar o rótulo dos alimentos. Cinco ingredientes não podem estar entre os primeiros listados no rótulo. São eles: gorduras saturadas, gorduras trans, açúcar simples, açúcar invertido e farinha de trigo enriquecida. Dois desses nutrientes são gorduras, dois são açúcares. Os dois tipos de gordura podem estimular processos inflamatórios no fígado que forçam a produção de substâncias deletérias, como o colesterol. Também fazem com que o fígado fique menos sensível à insulina, aumentando o risco de diabetes. Os açúcares listados fazem mal por estimular a produção de insulina, o que aumenta o depósito de gordura corporal.. O pior é que esses cinco itens são os mais comuns nas dietas atuais.

Veja - O cardápio básico do brasileiro, composto de arroz, feijão, carne e salada, é saudável?
Oz - A princípio, sim. Esse cardápio contém exatamente os nutrientes para os quais a digestão humana está preparada. Mas os brasileiros comem carnes muito gordas, o que é errado.. Antigamente, no mundo inteiro, quando os métodos de criação do gado eram mais simples, a porcentagem de gordura dos melhores cortes da carne bovina era, em média, de 4%. Hoje é de 30%. Outro problema dos hábitos alimentares do brasileiro é que ele come arroz em excesso, o que não traz nenhum benefício. Melhor seria adotar o arroz integral. Os alimentos integrais têm mais fibras, o que os mantém mais tempo no intestino e diminui a absorção de açúcar pelo organismo. Uma vantagem dos brasileiros é ter à disposição enorme variedade de frutas e vegetais maravilhosos, por preço razoável.

Veja - Os hábitos que o senhor propõe para prolongar a vida são relativamente simples, mas exigem controle estrito sobre as atividades do dia-a-dia. Como exercer esse controle?
Oz - A palavra-chave é automatizar. Ou seja, fazer desses hábitos uma rotina, sem precisar pensar muito neles.. Acordar, escovar os dentes e passar o fio dental, para reduzir a quantidade de bactérias prejudiciais à saúde. Beber muito líquido ao longo do dia, principalmente água e chá verde. Dormir ao menos sete horas por noite. Durante o sono se produz o hormônio do crescimento, essencial mesmo para quem já é adulto, pois prolonga a juventude. Caminhar meia hora por dia e praticar exercícios que façam suar três vezes por semana. Meditar cinco minutos diariamente, o que pode estar embutido na prática de ioga ou tai chi chuan. Evitar alimentos que estejam na regra dos cinco, que mencionei anteriormente. Uma última coisa: estreitar o relacionamento com as pessoas próximas e abster-se de julgá-las. Em vez de julgar os outros, é melhor tomar conta de si próprio.

Veja - Abster-se de julgar os outros ajuda a manter a juventude?
Oz - Sim, da mesma forma que resolver situações de conflito. O conflito não traz nada de positivo. É apenas desgastante. Costumo recomendar a meus pacientes que procurem as pessoas com quem mantêm uma relação de animosidade e tentem resolver o impasse. Essa é uma atitude para o bem-estar próprio. Não há nada de altruísta nela. É uma atitude egoísta.

Veja - O que o senhor acha das dietas para emagrecer que surgem e viram moda a cada seis meses?
Oz - Essas dietas fazem sucesso, mas são péssimas para a saúde. A alimentação não deve ser encarada como uma maratona para a perda de peso. Uma dieta que tenha como chamariz o emagrecimento rápido não é confiável. Comer menos do que o corpo necessita é uma agressão à fisiologia. Ou seja, aos processos químicos que fazem o organismo funcionar. Quando a fisiologia é desprezada, os resultados das dietas são transitórios.

Veja - Por que o senhor recomenda cuidados com o jantar?
Oz - Na verdade, há uma única regra a observar: deve-se jantar pelo menos três horas antes de dormir. Deitar logo após a refeição facilita o acúmulo de gordura, principalmente na cintura. Além disso, comer muito tarde prejudica o sono.

Veja - O senhor recomenda beber muita água durante o dia. Quanto se deve beber exatamente?
Oz - Deve-se beber uma quantidade suficiente para que a urina esteja sempre clara. Isso varia de um dia para o outro. Em dias quentes, sua-se muito e, por isso, é preciso beber mais água. Para quem não abre mão da cafeína, sugiro chá verde. Em lugar de quatro cafezinhos por dia, beba quatro copos de chá verde. Essa bebida concentra muitos antioxidantes e nutrientes bons para a saúde.

Veja - Muitos ambientalistas condenam o consumo de água engarrafada. Do ponto de vista da saúde, ela é melhor que a água da torneira?
Oz - Eu acho um erro beber água engarrafada. Há dois problemas principais com ela. O primeiro é que, se a garrafa plástica não for reciclada, pode contaminar os mares e os rios. Isso prejudica o meio ambiente e, indiretamente, a saúde. O plástico das embalagens vai parar nos peixes que comemos. O resultado é que 97% das pessoas apresentam resíduos de plástico no organismo, o que interfere no sistema hormonal. Esses resíduos estimulam os receptores de estrogênio, o hormônio feminino. Em excesso, o estrogênio pode causar câncer e outros problemas. As toxinas contidas no plástico também aceleram o envelhecimento. O segundo problema é que, como a água engarrafada não apresenta vantagens com relação à água da torneira, trata-se de um desperdício de dinheiro.

Veja - O senhor recomenda exercícios físicos que provoquem suor. Exercícios leves são inúteis?
Oz - Essas recomendações visam à saúde cardiovascular. Para essa finalidade, apenas os exercícios moderados ou intensos, que fazem suar, apresentam benefícios. Mas os exercícios suaves e de baixo impacto têm valor. Mesmo a caminhada movimenta grandes músculos, como os das coxas e dos quadris, que consomem muita energia. Como o gasto calórico muscular é maior durante o exercício, a queima de calorias aumenta.

Veja - Os suplementos vitamínicos são criticados em muitos estudos científicos. O que o senhor acha deles?
Oz - Eles são eficazes, mas prometem mais do que cumprem. Na verdade, os médicos saem da faculdade sem conhecimentos suficientes sobre os suplementos e são forçados a tirar suas próprias conclusões. De modo geral, uma suplementação só é necessária quando as vitaminas não são obtidas naturalmente com a alimentação. Por outro lado, acredito que determinadas vitaminas podem melhorar a qualidade de vida e a longevidade. Entre elas estão as vitaminas A, B, C, D e E, além de cálcio, magnésio, selênio e zinco. A vitamina D é importantíssima, pois previne câncer e osteoporose. Principalmente nos países mais frios, onde a exposição solar é restrita, os suplementos são essenciais.

Veja - Além dos procedimentos já descritos nesta entrevista, o que mais o senhor faz para adiar o envelhecimento?
Oz - Minha receita principal de juventude é brincar com meus filhos. Também procuro descobrir coisas novas todos os dias. Aprendo ao conversar com os outros e, apesar de ser muito assediado para responder a perguntas, por causa de minha atuação na TV, prefiro perguntar, saber como é a vida das pessoas, como elas trabalham. Isso faz minha mente exercitar-se.

Veja - Nos últimos anos, o aperfeiçoamento do tratamento clínico fez cair o número de cirurgias cardíacas. Essa é uma tendência em outras especialidades médicas além da cardiologia?
Oz - Sem dúvida. Os recursos clínicos tornaram-se mais eficazes tanto para a prevenção de doenças quanto para seu tratamento. Por isso, assim como na cardiologia, a cirurgia deixou de ser a primeira opção em outras áreas. Há poucos anos, quando o paciente machucava o joelho, ia direto para a sala de operação. Agora, ele vai para a sala de fisioterapia. Essa tendência também é evidente nos casos de diverticulite, uma inflamação do intestino, que passou a ser tratada com o consumo de fibras. O mesmo acontece com pacientes que apresentam doença arterial obstrutiva periférica. Antes eles iam para a faca. Agora, recebem como orientação deixar de fumar e caminhar. Mesmo que sintam dor num primeiro momento, essa é uma maneira de estimular o crescimento de novos vasos sanguíneos para substituir os danificados.

Veja - O senhor já esteve no Brasil. Como foi sua experiência no país?
Oz - Visitei o Brasil há muitos anos, quando ainda era estudante de medicina. Fui ao Rio de Janeiro e conheci o doutor Ivo Pitanguy. Também fiquei deslumbrado com as frutas brasileiras e com as lojas de sucos. Elas misturam frutas e outros vegetais, uma combinação pouco convencional. Conheci o açaí, que até hoje está no meu cardápio. Compro açaí em Nova York mesmo. É um dos alimentos com maior concentração de antioxidantes. Planejo voltar ao Brasil em meados do ano que vem para gravar um programa. Quero muito ir à Amazônia e conhecer as plantas medicinais da região.

quinta-feira, janeiro 27, 2011

Fernando de Noronha: empresa gerenciará os serviços de uso público

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) concluiu o processo de licitação para a exploração de serviços de uso público no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, em Pernambuco. De acordo com o edital, a empresa Cataratas do Iguaçu, vencedora da licitação, terá que investir R$ 7,5 milhões no parque nos dois primeiros anos.



As obras incluem construção de mirantes e trilhas suspensas, novas escadarias, recuperação de estradas de acesso e a instalação de uma exposição permanente avaliada em R$ 700 mil no Centro de Visitantes. A empresa ajudará ainda a controlar a linhaça, uma das principais espécies invasoras de Noronha.

A Cataratas do Iguaçu fará ainda o controle da cobrança de ingresso. Com isso, serão gerados 30 empregos diretos, o que, para a ilha, que tem uma população fixa em torno de mil pessoas, é algo importante.

INGRESSOS – Os ingressos passarão a ser cobrados a partir do final de fevereiro de 2011. O valor será de R$ 60 para brasileiros e R$ 120 para estrangeiros. Ao pagar a taxa, o visitante poderá permanecer no parque durante 10 dias. Ou seja, o valor diário fica em apenas R$ 6, no caso dos brasileiros.

Ainda conforme o edital, 15% da arrecadação serão repassados ao ICMBio, por meio do orçamento geral da União. O dinheiro será reinvestido na unidade de conservação. A empresa adotará as mesmas regras de isenção seguidas pela Administração do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, vinculado ao Governo de Pernambuco, na cobrança da taxa de preservação.

Esse é o quarto parque nacional do País a ter o serviços de uso público terceirizados. Os outros são Foz do Iguaçu, no Paraná, e Tijuca e Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro.

TAXA ATUAL – Atualmente, o visitante paga R$ 38,24 para cada dia de permanência em Noronha. O valor aumenta exponencialmente a partir do quinto dia. Não pagam a taxa moradores, funcionários a serviço e parentes de primeiro grau dos residentes na ilha.
O Governo do Estado calcula em R$ 10 milhões a arrecadação anual e diz que a verba é destinada à limpeza urbana, transporte de suprimentos de navio, hospedagem, alimentação e transporte aéreo dos funcionários em trânsito na ilha.

O total de visitantes no ano passado, segundo dados da Administração de Fernando de Noronha, foi de 60.673 pessoas. O número não inclui os passageiros dos transatlânticos em cruzeiro à ilha. Esses navios, que aportam em Noronha em escalas semanais, permanecendo por um dia e meio, transportam em média 600 passageiros.

O PARQUE – Criado em 1988, o parque tem 112 quilômetros quadrados, dos quais 17 quilômetros quadrados estão em terra firme e o restante no mar. A ilha principal tem mil moradores, a maioria trabalhando no serviço público e com turismo. O trecho que não está no Parque Nacional Marinho (Parnamar) faz parte da Área de Proteção Ambiental (APA), outra unidade de conservação federal.

Fonte: ICMBio

domingo, janeiro 23, 2011

Entrevista de Jared Diamond ao jornal O Estado de São Paulo

O livro "Colapso" foi uma das leituras mais densas e completas dos últimos anos. Envolve a visão do meio ambiente, das civilizações, dos processos de urbanização, dos relacionamentos entre pessoas e seus grupos -ou tribos...

Hoje, o jornal O Estado de São Paulo publica, em seu caderno "Aliás", uma longa, interessante e indispensável entrevista com este cientista. Transcrevo aqui, pois deve ser lida, relida e, como fiz, retransmitida...




Rubbish! É a resposta - em bom inglês - do biogeógrafo americano Jared Diamond para a pergunta sacada com frequência pelos "céticos do clima" no afã de congelar o debate ambiental: o aumento da temperatura do planeta, ao qual se atribui a intensificação dos ciclos de calor e frio testemunhada hoje por toda a parte, pode ser o resultado de um ciclo natural da Terra? Rubbish - lixo, besteira. "A ideia de que as mudanças climáticas que estamos presenciando hoje são naturais é tão ridícula quanto a que nega a evolução das espécies", fustiga o autor de Colapso (Record, 2005), um tratado multidisciplinar de 685 páginas na edição brasileira que analisa as razões pelas quais grandes civilizações do passado entraram em crise e virtualmente desapareceram. E a questão assustadora que emerge de seu olhar sobre as ruínas maias, as estátuas desoladoras da Ilha de Páscoa ou os templos abandonados de Angkor Wat, no Camboja, é: será que o mesmo pode acontecer conosco?

A resposta de Diamond, infelizmente, é sim. Ganhador do Prêmio Pulitzer por sua obra anterior, Armas, Germes e Aço (Record, 1997), em que focaliza as guerras, epidemias e conflitos que dizimaram sociedades nativas das Américas, Austrália e África, o cientista americano há anos nos adverte sobre os cinco pontos que determinaram a extinção de civilizações inteiras. O primeiro, é a destruição de recursos naturais. O segundo, mudanças bruscas no clima. O terceiro, a relação com civilizações vizinhas amigas. O quarto, contatos com civilizações vizinhas hostis. E, o quinto, fatores políticos, econômicos e culturais que impedem as sociedades de resolver seus problemas ambientais. Salta aos olhos em sua obra, portanto, a centralidade que tem a ecologia na sobrevivência dos povos.



Foi na semana subsequente à pior catástrofe natural da história do País, na região serrana do Rio de Janeiro - a mesma em que um arrepiante tornado surgiu nos céus de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense -, que Jared Diamond falou por telefone ao Aliás. Às vésperas do lançamento no Brasil de um de seus primeiros livros, O Terceiro Chimpanzé (1992), o professor de fisiologia e geografia da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, fala das providências cruciais que o ser humano deverá tomar nos próximos anos para garantir sua existência futura. Diz que as elites políticas, seja nos EUA, na Europa, nos países pobres e nos emergentes, tendem a tomar decisões pautadas pelo retorno em curto prazo - até um ponto em que pode não haver mais retorno. Avalia que o Brasil dos combustíveis verdes tem sido "uma inspiração para o mundo", mas também um "mau exemplo" na preservação de suas florestas tropicais. E fala da corrida travada hoje, cabeça a cabeça, entre "o cavalo das boas políticas e aquele das más", que vai determinar o colapso ou a redenção das nossas próximas gerações.

O Brasil enfrentou tempestades de verão que mataram mais de 700 pessoas. Debarati Guha-Sapir, do Centro de Pesquisas sobre a Epidemiologia de Desastres da ONU, disse que o tamanho da tragédia é indesculpável, pois o País tem apenas um desastre natural para gerenciar. Como evitá-lo no futuro?

Precisamos estar preparados para um número cada vez maior de tragédias humanas relacionadas a mudanças climáticas. O clima se tornará mais variável. O úmido será mais úmido e o seco, mais seco. A Austrália, por exemplo, acaba de sair da maior seca de sua história recente e agora enfrenta o período mais úmido já registrado no país. Em Los Angeles, onde moro, recentemente tivemos o dia mais quente da história e, há algum tempo, o ano mais chuvoso e também o mais seco que a cidade já viu.

Em seus escritos, o sr. aponta a Austrália como um país com estilo de vida antagônico às suas condições naturais. Mas, em comparação com o Brasil, os australianos se saíram melhor: enfrentaram a pior enchente em 35 anos, mas contabilizaram apenas 30 mortos. Como explicar isso?

É verdade que o modo de vida dos australianos não está em harmonia com suas condições naturais. Mas o estilo de vida dos americanos e dos brasileiros tampouco. O modo de vida do mundo não está em harmonia com as condições naturais deste próprio mundo. No caso da Austrália, o país fica no continente que tem o meio ambiente mais frágil, o clima mais variável e o solo menos produtivo. Mas a Austrália é um país rico e dispõe de mais dinheiro que o Brasil para criar uma infraestrutura que gerencie tais problemas. Em Los Angeles, onde as enchentes são recorrentes, não resta um rio em seu leito natural: todos receberam canais de concreto para reduzir o risco de enchentes. A minha casa fica literalmente em cima de um córrego coberto por uma estrutura de concreto. Nos 34 anos em que vivi nessa casa, apenas duas vezes a água invadiu o porão.

Em Colapso, o sr. lista cinco razões que explicam o declínio das sociedades. Elas continuam as mesmas?

Sim. Os cinco fatores que levo em consideração ao tentar entender por que uma sociedade é mais ou menos propícia a entrar em colapso são, em primeiro lugar, o impacto do homem sobre o meio ambiente. Ou seja, pessoas precisam de recursos naturais para sobreviver, como peixe, madeira, água, e podem, mesmo que não intencionalmente, manejá-los erradamente. O resultado pode ser um suicídio ecológico. O segundo fator que levo em conta é a mudança no clima local. Atualmente, essa mudança é global, e resultado principalmente da queima de combustíveis fósseis. O terceiro fator são os inimigos que podem enfraquecer ou conquistar um país. O quarto são as aliados. A maioria dos países hoje depende de parceiros comerciais para a importação de recursos essenciais. Quando nossos aliados enfrentam problemas e não são mais capazes de fornecer recursos, isso nos enfraquece. Em 1973, a crise do petróleo afetou a economia americana, que dependia da importação do Oriente Médio de metade dos combustíveis que consumia. O último fator recai sobre a capacidade das instituições políticas e econômicas de perceber quando o país está passando por problemas, entender suas causas e criar meios para resolvê-los.

O colapso da sociedade como hoje a conhecemos é evitável ou apenas prorrogável?

É completamente evitável. Se ocorrer, será porque nós, humanos, o causamos. Não há segredo sobre quais são os problemas: a queima exagerada de combustíveis fósseis, a superexploração dos pesqueiros no mundo, a destruição das florestas, a exploração demasiada das reservas de água e o despejo de produtos tóxicos. Sabemos como proceder para resolver essas coisas. O que falta é vontade política.

O Brasil tem feito sua parte?

Nunca estive no Brasil, portanto não posso falar a partir de uma experiência de primeira mão. Mas pelo que entendo, vocês adotaram uma solução imaginativa para a questão energética, com a produção de etanol. O Brasil é uma inspiração para o resto do mundo em relação aos carros flex. Por outro lado, mesmo que o País esteja consciente dos riscos de se desmatar a maior floresta tropical do mundo, muito ainda precisa ser feito. A Amazônia é muito importante para os brasileiros, pois ela regula o clima do país. Se a destruírem, o Brasil inteiro sofrerá com as secas.

De que maneira as elites tomadoras de decisão podem encabeçar a solução dos problemas ou ser responsáveis por conduzir sociedades à autodestruição?

Uma elite que foi competente em solucionar problemas é a composta por políticos dos Países Baixos, que têm grandes dificuldades com o manejo de água, já que um terço da área desses países está abaixo do nível do mar. A Holanda investiu uma quantidade enorme de dinheiro no controle de enchentes. Uma coisa que motivou os políticos holandeses é que muitos deles vivem em casas que estão sob o nível do mar. Eles sabem que se não resolverem a coisa vão se afogar com os demais. Outra elite razoavelmente bem-sucedida é a realeza do Butão, nos Himalaias. O rei butanês disse ao seu povo que o país precisa se tornar uma democracia quer queira, quer não. Ele também anunciou que a meta do país não é aumentar o PIB, mas elevar o índice que mede a felicidade nacional. Isso é verdadeiramente uma meta maravilhosa. Nos EUA, temos políticos poderosos com uma visão curta e destrutiva. Acho que contamos com um bom presidente, mas temos uma oposição cujos objetivos no presente momento se resumem a ganhar a próxima eleição presidencial e, repetidamente, tem negado a existência da mudança climática e do aquecimento global.

De que forma o declínio de sociedades antigas pode nos servir de lição?

Algumas sociedades do passado cometeram erros decisivos, outras agiram com sabedoria e tiveram longos períodos de estabilidade. Um vizinho de vocês, o Paraguai, é um exemplo de país que cometeu um erro crucial, há 120 anos: lutar simultaneamente contra Brasil, Argentina e Uruguai. Isso resultou na morte de 80% dos homens e um terço da população. Tomando como exemplo o Paraguai, precisamos aprender a adotar metas realistas. Podemos aprender também com os países que manejam bem seus recursos, como a Suécia e a Noruega, ou tomar como mau exemplo a Somália - que desmatou suas florestas e hoje sofre com a seca. Em defesa da Somália, podemos argumentar que o país não conta com um grande número de ecologistas capacitados, ao contrário de Brasil e EUA.

O sr. estudou a ascensão e queda de sociedades no passado, mas o que se discute agora é o futuro da própria humanidade. Sua teoria é capaz de explicar os desafios do mundo globalizado?

Sim. É verdade que esta é a primeira vez na história que enfrentamos o risco de o mundo inteiro entrar em colapso. No passado, o colapso do Paraguai, por exemplo, não teve nenhum efeito na economia da Índia ou da Indonésia. Hoje, até mesmo quando um país remoto, como a Somália ou o Afeganistão, entra em colapso isso repercute ao redor do mundo. Mas, por analogia, é possível tirar conclusões semelhantes.

O geógrafo brasileiro Milton Santos (1926-2001) enfatizou aspectos socioculturais para explicar os dilemas da sociedade, enquanto seu trabalho é considerado por alguns como geodeterminista. Aspectos culturais não teriam mais influência sobre o futuro das sociedades que os naturais?

Com frequência as pessoas me perguntam se isso ou aquilo é mais importante para explicar o declínio das sociedades. Questões como essas são ruins. É o mesmo, por exemplo, que perguntar sobre as causas que levaram ao fracasso de um casamento. O que é mais importante para manter um casamento feliz? Concordar sobre sexo ou dinheiro, ou crianças, ou religião, ou sogros? Para se ter um casamento feliz é preciso estar de acordo a respeito de sexo e crianças e dinheiro e religião e sogros. O mesmo se dá no entendimento do colapso de sociedades. Fatores culturais são importantes, mas diferenças ambientais não podem ser ignoradas. Por exemplo, as regiões Sul e o Sudeste do Brasil são mais ricas que a Norte. Isso é por causa do meio ambiente, não porque as pessoas no norte sejam burras e as do sul mais inteligentes ou cultas. A explicação é que o norte do país é mais tropical e áreas tropicais tendem a ser mais pobres porque têm menos solos férteis e mais doenças. O mesmo é verdade nos EUA, onde até 50 anos atrás o sul foi sempre mais pobre que o norte. Ao redor do mundo, esse padrão é repetido: países tropicais tendem a ser mais pobres que os de zonas temperadas.

Que sociedades estão em colapso hoje?

Todas as sociedades do mundo estão em risco de colapso. Se a economia mundial colapsar isso afetará todos os países. Nós vimos o que houve dois anos atrás, quando o mercado financeiro americano quebrou, afetando todas as bolsas do mundo. Então, embora todos os países estejam em risco de colapso, alguns estão mais próximos dele do que outros - por uma maior fragilidade ambiental, porque são menos maduros política ou ecologicamente ou por qualquer outro motivo. Por exemplo, o Haiti, que retornou agora às manchetes com a volta do ditador Baby Doc, viu seu governo virtualmente colapsar e continua em grande dificuldade. O México enfrenta dificuldades gravíssimas relacionadas a problemas ecológicos, com a aridez de suas terras, e políticos, com a onda de assassinatos ligada ao tráfico de drogas. Paquistão é um exemplo óbvio, Argélia, Tunísia, que também estão no noticiário... Do outro lado, dos países com menos risco de colapso estão a Nova Zelândia, o Butão e, na América Latina, a Costa Rica. Chile também vai bem. E o Brasil tem melhores perspectivas que vizinhos como a Bolívia, claro.

Países podem se recuperar do colapso?

O colapso normalmente não é definitivo. Houve colapsos no passado que foram sucedidos por retomadas. O Império Romano caiu e, apesar disso, a Itália é hoje um país de Primeiro Mundo.

A Europa, onde o debate a as leis de proteção ambiental mais avançaram, também entrou em crise. Quando isso ocorre, há risco de retrocesso nas políticas ambientais?

É possível. Muita gente sustenta que, quando a economia está fraca, não se consegue investir como se deve no meio ambiente. O colapso econômico de fato põe em risco os avanços em sustentabilidade. Só que os problemas ambientais só são fáceis de resolver nos estágios iniciais. Nesse ponto custam menos, mas se aguardamos 20 ou 30 anos, eles se tornarão muito caros ou impossíveis de solucionar.

Nos EUA, quando o presidente Obama condicionou empréstimos às montadoras americanas ao investimento em carros mais baratos e menos poluentes, a crise não ajudou?

Tanto as crises econômicas podem ter bons efeitos para a política ambiental como fazê-la retroceder. Nos EUA, antes do crash financeiro, estava muito em moda o Hummer, um jipe de 3 toneladas, versão civil de um veículo militar utilizado no Iraque. Era caríssimo e gastava horrores em combustível. Aparentemente, suas vendas despencaram e isso é um efeito positivo da crise econômica. Ainda assim, há americanos ignorantes que ainda insistem em dizer que, uma vez que estamos em crise, podemos deixar a agenda ecológica de lado.

Há modelos econômicos melhores e piores no que diz respeito aos danos ecológicos?

No momento em que falamos, tenho que dizer que o modelo econômico americano não parece ser o mais adequado. Por outro lado, somos uma democracia, com maus políticos, mas também bons - que denunciam os problemas que põem em risco o futuro. Numa ditadura comunista, por exemplo, isso seria impossível. Gosto do sistema capitalista porque ele pressupõe competição, inclusive de ideias. Mas aprecio também o papel do Estado em interferir no capitalismo, evitando os monopólios e enfrentando grupos cujos interesses vão de encontro aos da maioria da população. Em comparação, eu diria que o modelo europeu de capitalismo, mais socializado e comprometido com o bem comum, é atualmente a alternativa menos ruim.

Alguns cientistas afirmam que não se pode dizer ao certo que o aquecimento global seja culpa da ação do homem; pode ser parte de um ciclo natural da Terra.

Sabe a palavra inglesa rubbish? Significa lixo, mas é usada em linguagem coloquial em referência a ideias ridículas. O argumento de que as mudanças climáticas que estamos presenciando hoje sejam apenas naturais é simplesmente ridículo. Tanto como aquele que nega a evolução das espécies. As evidências de que tais mudanças se devem a causas humanas são irrefutáveis. Os anos mais quentes registrados em centenas de anos se concentram nos últimos cinco que passaram. O planeta já enfrentou flutuações de temperatura no passado, mas nunca nos padrões registrados hoje. Não conheço um único cientista respeitável que afirme que as atuais mudanças de clima não se devam à ação humana. É por isso que eu digo: rubbish.

Seis anos depois do lançamento de Colapso, o sr. está mais otimista ou pessimista em relação ao futuro de nossa civilização?

Diria que me mantenho mais ou menos no mesmo nível. Tenho visto coisas ruins piorarem e boas tornarem-se melhores. O que mais me preocupa é que continuamos vendo um aumento vertiginoso do consumo no mundo, seja nos EUA, na China, na Índia ou no Brasil. O que me anima é que cada vez mais pessoas reconhecem a gravidade da situação e estão tomando iniciativas. Uma metáfora que gosto de usar é a da corrida de cavalos. Há dois deles correndo agora, o cavalo da destruição e o cavalo das boas políticas. Nestes últimos seis anos, eu diria que os dois têm corrido cada vez mais rápido, disputando cabeça a cabeça. Não sei qual vencerá a corrida, mas diria que as chances do cavalo do bem vencer são de 51%, enquanto o das más políticas tem 49%. E, se nossa destruição não é certa, nem um destino inescapável, é preciso saber que se não tomarmos medidas urgentes vamos ter grandes problemas.

A indústria do entretenimento mostra, cada vez mais, imagens do fim do mundo, prédios em ruínas, cidades abandonadas. Por que somos tão fascinados por nossa destruição?

Parte disso se deve à força romântica das imagens de civilizações passadas que entraram em colapso, como as ruínas dos maias, incas e astecas. Ou os escombros das guerras no Iraque e no Irã. E pensamos: quem construiu aqueles templos e monumentos, tinha uma cultura e arte admiráveis, podia imaginar que isso aconteceria? Por que essas civilizações entraram em colapso, sem poder evitar? E nos angustiamos: será que isso também vai acontecer conosco?